#spfwn43, dia 5
21 de Março de 2017 . Por aspatricias

E se encerra o #spfwn43 com diversidade na passarela, moda masculina cheia de bossa, a confirmação do street-couture e uma estreia iluminada pelo bom gosto. Até a próxma.

RATIER

A inspiração: Renato Ratier é conciso no estilo da marca e abusa novamente do preto - dessa vez incluindo o cru, bordô e marrom à cartela de cores. A aposta em um visual dark e gótico vem a partir da inspiração na Romênia e nos vampiros. Muito do que a gente viu em outras passarelas desta temporada também esteve por aqui: couro, veludo e transparências.

Agência Fotosite/Divulgação

O que mais curti: o instigante jogo de texturas. As cores, a beleza, a música e todo o contexto, apesar de não serem inovadores, apostam numa aproximação com o consumidor e entregam o recado fazendo até com que as franjas, tipicamente associadas ao folk, virassem góticas. Além disso, vale destacar a tradução do visual noturno em capas e estampas jacquard.

AMAPÔ

A inspiração: grande expectativa para o último dia, a Amapô, já com fama de surpreendente, chegou dando uma injeção de ânimo e originalidade à plateia. Desta vez inspirada no circo, trouxe inúmeras referências ao universo burlesco: com foco no lúdico, no alegre, no bem-humorado e no irônico já que, ao mesmo tempo, faz uma crítica ao momento de crise do país, que muito afeta o mercado da moda.

Agência Fotosite/Divulgação

O que mais curti: o apelo circense chega a ser quase óbvio, como na peça estampada com uma enorme cabeça de elefante, mas a execução é nada óbvia com modelagem ampla, geométrica e estruturada. Os shapes arredondados e exagerados proporcionam ares artísticos à coleção e a tornam menos comercial. Chamam a atenção os recortes e o trabalho (lindo!) de patchwork aplicado a algumas jaquetas e calças.


RESERVA

A inspiração: o estilista Igor de Barros trouxe uma variedade de looks com pegada street e atual. Apresentou peças versáteis e democráticas, como parkas, calças oversized e alfaiataria. Tudo sempre com um toque bem humorado, seja com um toque de estampa, seja com um Pica-Pau protagonizando uma peça. A marca foi além do desfile de moda e transformou o ambiente em uma festa, com música ao vivo e open bar, o que animou a plateia. Além disso, o see now buy now foi incentivado por duas telas com o e-commerce da loja exposto: um convite para comprar as roupas imediatamente disponíveis online.

Agência Fotosite/Divulgação

O que mais curti: impressionante o styling do desfile, que fez até as peças mais simples ganharam um novo status, em sobreposições sofisticadas e cheias de bossa. Cá entre nós, a Reserva tem um espírito muito bacana - e dá vontade de vestir tudo, básico ou nem tanto. 

 

A.NIEMEYER

A inspiração: confortável e elegante é possível? É o que prova a marca estreante neste SPFW, um dos destaques do dia. Olhando para os horizontes pacíficos, as tundras, os desertos e os fiordes, a marca cria com tecidos naturais e uma cartela de cores claras e terrosas. Os shapes são amplos, arredondados e, quando combinados com os tecidos de ovelhas recém-tosquiados, cardados, fiados e tecidos, trazem uma palavra imediatamente à cabeça: aconchego.

Agência Fotosite/Dvulgação

O que mais curti: chamam a atenção os detalhes dos tecidos, alguns desenvolvidos para a marca com exclusividade, e os decotes profundos e as transparências, que fazem um contraste certeiro com a modelagem ampla das roupas.


LAB

A inspiração: a marca de Emicida e Evandro Fióti reinterpreta a moda das ruas e a mistura com samba, tendências e roupas vintage, referenciando o trabalho de Jacira Roque Oliveira, artista bordadeira, moradora da periferia de São Paulo e também mãe dos músicos. O tema central da coleção é “herança”. A LAB também questiona os padrões da moda com o casting de maior diversidade do dia, incluindo modelos plus size, negros, tatuados e andróginos - assim como fez na edição anterior. O resultado é um streetwear atual e elegante, apostando no hi-lo mais certeiro do hoje,  a mistura de alfaiataria com esporte.

Agência Fotosite/Divulgação

O que mais curti: a Lab sabe misturar muito bem, graças a mão precisa de João Pimenta, o street com o chique, a alfaiataria com o despojado, o esporte com o casual. Adoramos os paetês neste contexto totalmente cool, a mistura sempre certeira de preto e branco e as máxi modelagens.

Deixe um comentário