Också apresenta: Coleção Piloto
12 de Abril de 2016 . Por aspatricias

preview-ocksais A marca gaúcha Också já é uma queridinha brasileira - além de nossa, é claro - e a cada coleção se mantém fresca, relevante, inovadora. Agora não poderia ser diferente. Seguindo o conceito de desenvolvimento de duas coleções por ano sob a mesma temática, a label apresenta em seu desfile neste dia 13 de abril, durante a 39ª edição da Casa de Criadores, peças com caráter de piloto. Desenvolvidas em matéria prima crua e técnicas que remetem um processo inacabado, a coleção passará por uma transição que será apenas finalizada na próxima temporada. A ideia para a coleção Piloto vem da intenção da dupla Igor Bastos e Deisi Witz, diretores criativos da Också, em expor o processo criativo, fazendo uma imersão no tema. Uma peça piloto é essencial para o desenvolvimento de uma coleção e, destacado seu valor, irão reutilizá-la para a próxima temporada.

Ainda que tenha aparência de inacabado, o verão 17 terá um produto finalizado, e que servirá de base para a coleção de inverno - ganhando cores, formas, texturas e novos tecidos.Nas peças, a marca traz a importância do toque das fibras naturais dos tecidos utilizados. As estampas da coleção foram criadas a partir de pinturas acidentais valorizando o processo da imperfeição original. Linho, moletom e malhas, que são best sellers da Också, também reaparecem. Túnicas, calças, saias, blazeres, macacões, e chemise ganham shapes mais amplos e desestruturados, ressaltando a identidade genderless da marca.

Os tons do algodão cru acentuam a sensibilidade da coleção, que tem acessórios desenvolvidos artesanalmente em cerâmica, assinados por Carolina Peraça e os sapatos fazem parte de uma colaboração da NUU Shoes para a marca.

ocksais-_-piloto-casa-de-criadores

Leve e Plural
8 de Outubro de 2015 . Por Patrícia Parenza

Foto Agencia Fotosite

Adoro a marca mineira Plural. Ela é leve, despretensiosa, contemporânea e sempre me dá vontade de usar…falo isso porque moda é uma questão pessoal, certo? A gente pode e deve olhar atentamente a modelagem, a escolha de materiais a cartela de cores e tudo mais, mas o resultado final de uma coleção diz respeito a um sentimento que reúne tudo isso e mais o nosso gosto pessoal.

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Os shapes longilíneos em coletes e paletós ficam perfeitos em moletom, tricot e linho. A pantacourt segue firme e forte no próximo inverno. As cores são ótimas e vão do marsala e bordô ao off White e chumbo. Bem elegante.

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

A alfaiataria está presente em quase toda a coleção em sobreposições super interessantes. A bolsa pochete aparece em tamanho grande e pela primeira vez não me incomodei com ela, achei que foi usada de forma refinada.

Lino para o “dia a dia”
8 de Outubro de 2015 . Por Fernanda Cassel

Já imaginou se o Lino Villaventura fizesse uma coleção com o DNA dele, porém casual? Então, não precisa imaginar não. Ele fez e desfilou essa belezinha hoje no segundo dia de Minas Trend.

Foto Agencia Fotosite

Quem acompanha o trabalho de Lino sabe que fantasia e teatro correm no sangue do estilista paraense, e que todas as suas criações não são exatamente aquele look que você usa em um dia, digamos, ordinário. Precisa ter uma pose, um sonho, um certo envolvimento maior para sustentar o visual. Eis que surge a Villaventura, uma linha casual do estilista que estreou no evento mineiro com coleção criada especialmente para encantar por aqui.

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Foto Agencia Fotosite

Claro, tratando-se de Lino, não espere uma coleção de jeans e camiseta branca. O casual da Villaventura tem um quê de drama, não é para ir ali na esquina comprar pão! Ainda precisa ter a pose, mas ela pode ser bem mais despojada. A coleção iniciou com um trio de vestidos-blusão tricolores; em seguida uma série de camisas com recortes simulando rendas ocupou a passarela; então vimos alguns vestidos, onde os tecidos ganhavam nervuras, dobras e modelagens orgânicas; o terceiro ato, o meu favorito, veio na forma de calças do tipo utilitárias, usadas com blusa justa e camisa aberta por cima (uma das camisas tinha os mesmos grafismos dos vestidos do início estampados nas costas, como uma versão “Lino” das jaquetas de motoqueiro); o desfile foi chegando ao fim com uma dupla de longos fluídos, algumas transparências localizadas e encerrou com um abrigo estruturado. Pá! Nasce a Ventura na passarela mineira.

Foto Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

Agencia Fotosite

A paleta de cores manteve-se bem sucinta, composta de preto e branco com uma adição aqui e ali de outro tom. Outros elementos constantes no desfile foram as leggings de lateral transparente ou contrastante e os sapatos. Ah, os sapatos são um caso a parte. Criados e assinados pelo Lino e desenvolvidos pela marca gaúcha Okoko&Abel, ganhadores da Maratona Mude do ano passado, onde tiveram o próprio estilista como mentor. São tênis lindos, com solado em madeira e aquela pegada ugly shoes que a gente ama. Será que vão ser peças só de desfile? Esperamos que não!

O bendito sapato!

O bendito sapato!

 

 

As caçadoras de pérolas de Herchcovitch
17 de Abril de 2015 . Por Fernanda Cassel

Se tem algo lindo na moda é quando aprendemos algo novo com uma coleção ou desfile. Não digo aprender em termos técnicos, como acabamentos diferentes ou novas tecnologias em tecido (claro, isso é sempre fascinante), mas falo de aprender com as inspirações dos estilistas. Quando o conceito compartilha um traço cultural, quando a tema ensina um fato histórico. Não é a primeira vez que Alexandre Herchcovitch vira professor na passarela. Na coleção de inverno/10, contou sobre o cineasta armênio Sergei Parajanov e seus filmes controversos; no verão passado, mostrou um lado de Marilyn Monroe o qual o público não estava acostumado a ver. E assim poderíamos citar n referências inspiradoras. Este ano, Herchcovitch, apresentou ao público as Amas (海女, em japonês, traduzidas como Mulheres do Mar). Essas mulheres, que norteiam o verão 2016 do estilista, são mergulhadoras que - vestidas apenas com um pequeno tapa-sexo - mergulhavam nas profundezas do oceano em busca de abalones, algas, mariscos ou - o achado mais valioso - pérolas. Essa inusitada profissão, que possui registros de existir há mais de 1.200 anos, e essas destemidas mulheres são o alicerce no qual a coleção se ergue.

Foto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. Fotosite

Na hora de traduzir essa temática para as roupas, Herchcovitch teve uma abordagem sutil. Afinal, como se cria uma coleção inspirada em mulheres que nada vestiam? Complicado. A saída escolhida pelo estilista foi pensar de forma mais abrangente, aí surge a alfaiataria de inspiração oriental; as tonalidades e texturas do mar, areia e espuma; o vermelho típico do Japão; a fluidez e a transparência dos tecidos ao vento; e a silhueta das ondas. Nos pés, as belíssimas (no entanto, nada práticas) sandálias de madeira com a plataforma vazada são a cereja no bolo. As Amas caçadoras de pérolas foram o ponto de partida, que então vai se diluindo e se transformando em uma coesa coleção herchcovitchiana. Não poderíamos esperar vestidos cravejados de pérolas, não é mesmo? Alê nunca seria tão literal.

Foto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. FotositeFoto Zé Takahashi - Ag. Fotosite

Não saí ilesa desse desfile de Herchcovitch. A história das Amas me fascinou e me fez querer saber mais e mais sobre essas sereias (uma temática que tem se mostrado forte nesse SPFW, não é mesmo?) da vida real. Sugiro que quem se interessou pelas Mulheres do Mar, pesquise o trabalho do fotógrafo japonês Yoshiyuki Iwase, que capturou com uma câmera descartável o cotidiano das mesmas nos anos 20 e 30. Lindo. Como a coleção de Herchcovitch.

Minas Trend Preview - Verão 2016
30 de Março de 2015 . Por Fernanda Cassel

Sim. Ler esse título chega a dar um nó na cabeça, não é mesmo? O verão 2015 recém está deixando saudades nos brasileiros, mas as passarelas do 16º Minas Trend já estarão dando um olá para as tendências que estão por vir no calor do ano seguinte. O evento acontece no ExpoMinas, em Belo Horizonte, nos dias 7 e 8 de abril.

A temática proposta pelo Minas Trend Verão/16 é “Viva Ciclicamente”, referindo-se do constante ciclo da moda de se renovar ao mesmo tempo que retoma o passado periodicamente. Para representar esse conceito, foram utilizadas as quatro estações do ano para refletir a sazonalidade e as diferentes posturas que demandam as respectivas temporadas de moda que encaixam-se nesses períodos. O evento, realizado pela FIEMG – Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, contará com a participação massiva de fabricantes formadores de opinião dos segmentos de vestuário, calçados, bolsas, acessórios, bijuterias e joias.

Marcelo Guarnieri/ FOTOSITE

E nas passarelas? Confere o lineup dos desfiles abaixo, repleto de marcas que nós adoramos e que apresentarão as apostas para o Verão/16.

Terça-feira - 07/04

11h - Vivaz

19h - Faven / Madreperola

21h - Patricia Motta / Alexandre Herchcovitch

Quarta-feira - 08/04

17h - Rogério Lima / Lucas Magalhães

19h - Fabiana Milazzo / Plural

21h - Mabel Magalhães