Coleção da Convexo aposta em street minimalista
6 de Junho de 2017 . Por aspatricias

A Convexo, marca gaúcha de calçados e acessórios em Porto Alegre, lançou modelos de um street minimalista lindos, lindos para o inverno deste ano. Além da coleção própria da label, o diferencial é que existe uma curadoria minuciosa por trás das diversas marcas que também estão disponíveis na loja.

Convexo/Reprodução

A linha própria foi produzida seguindo as tendências mundiais em calçados, em sintonia do que há de mais cool. Entre os modelos, slip-on detalhados com corte a laser, tênis delicados com laços, botinhas de canos médios e altos confortáveis - a gente amou tudo. Além disso, a marca tem produção totalmente brasileira, com fornecedores superespecializados dos dois principais pólos calçadistas do país, o de Novo Hamburgo e o de Franca, em São Paulo.

Convexo/Reprodução

A Convexo nasceu em 2006, buscando atender as expectativas de um público jovem e bem informado que usa as tendências de moda a seu favor, sem abrir mão de conforto, personalidade e estilo. Entre as marcas disponíveis na loja, estão Converse All Star, Vans, Nike, Ked’s, Melissa, Havaianas, New Balance, Crocs, Perky, mochilas Jansport, bonés New Era, entre outros. A coleção pode ser encontrada em todas as lojas físicas, nos Shoppings Iguatemi, Praia de Belas e Moinhos, e também através do e-commere convexo.com.br.

Convexo/Reprodução

 

Galeria Melissa de Londres recebe exposição de Vivienne Westwood
30 de Setembro de 2016 . Por aspatricias

A capital inglesa ganhou mais uma atração de peso nesta temporada. A Galeria Melissa de Londres recebe a exposição“Vivienne Westwood Anglomania Rocking Horse Shoe”, que celebra o aniversário de 30 anos de uma das mais icônicas criações da estilista britânica. A collab entre a designer e a marca brasileira, que já contava com uma releitura de plástico do famoso modelo, ganha, agora, uma instalação especial na concept store em Covent Garden.

_dsc9444_final-capia

O clássico foi apresentado por Vivienne, pela primeira vez, em 1985, durante seu desfile de Primavera-Verão batizado de Mini-Crini. Na época, o sapato garantia o estilo e movimento necessários para compor os looks punk da passarela - mood que se tornou sua marca registrada. Mais tarde, em 1987/88, a Rocking Horse Ballerina fez parte do styling de sua coleção de Outono-Inverno, a Harris Tweed.

A exposição na Galeria Melissa traz imagens de arquivo desses momentos complementando uma instalação com o modelo recriado pela marca brasileira e uma escultura gigante com uma sela, convidando os visitantes a brincarem sobre ela.

_dsc0626_final-capia

O modelo Melissa + Vivienne Westwood Anglomania Rocking Horse Ballerina é uma releitura do design original, mantendo a plataforma alta e os laços para amarração, toda em plástico reciclável e vegano, nas versões vermelho, preto e branco e na exclusiva opção dourada.

_dsc9407_final-capia

 

Melissa no Japão
30 de Abril de 2015 . Por aspatricias

Foto Divulgação

Depois de ganhar fãs em Londres, quando abriu a terceira Galeria Melissa no mundo, em 2014,  a marca de sapatos incríveis de plástico chega agora ao continente asiático ontem. A Melissa Pop Up Shop em Tokio é localizada no coração da cidade nipônica no irreverente bairro de Harajuku, conhecido por lançar tendências mundo afora. Com aproximadamente 70m2, o espaço da marca brasileira valoriza as linhas retas e decoração clean para destacar os produtos coloridos e cheios de personalidade da Melissa. O projeto arquitetônico da loja conceito foi desenvolvido pelo artista plástico brasileiro Kleber Matheus. A Melissa já possui 62 lojas próprias nos quatro continentes - Hong Kong, Miami, Lisboa, Sidney, Las Vegas, Tel Aviv, e isso só para citar algumas. Um desejo além de qualquer fronteira.

10 anos de Gareth Pugh na Galeria Melissa
13 de Fevereiro de 2015 . Por aspatricias

Acaba de estrear na badaladíssima Galeria Melissa de Londres (que a gente já falou um pouquinho por aqui), a exposição Dez anos de Gareth Pugh, uma retrospectiva visual da carreira do designer britânico, na forma de alguns looks desenvolvidos por ele ao longo dessa década de trabalho.

Foto Katie Holt

Desde cedo Gareth foge do convencional, tem uma queda pelo drama, pelo bélico com pitadas de gótico - características que tanto vimos surgir nas criações do nosso amado Lee Alexander McQueen. Gareth possui traços que lembram os trabalhos do falecido conterrâneo, como o fato de Pugh buscar o teatral esbarrando no conceito puro, sem se prender às amarras comerciais. Talvez seja esse um dos motivos pelos quais as suas criações costumam atrair personalidades que também incorporam essa narrativa mais fantasiosa nas suas carreiras, como Lady Gaga, Beyoncé e Nicki Minaj. Também por isso que os looks de Pugh parecem pertencer tão bem à uma exibição, como obras de arte vestindo lustrosos manequins pretos.

São oito visuais que decoram o interior da Galeria Melissa, expondo a diminuta paleta de cores dentro da qual Gareth elabora as armaduras de tecidos e outros inusitados materiais - como sacos de lixo - extrapolando os contornos do corpo e criando novos ângulos e formatos para o mesmo. Nos pés as criações de Gareth Pugh são complementadas pelas sandálias Melissa Ascension, criadas pelo designer em colaboração com a marca brasileira em 2014.

Espia looks favoritos da exposição, que estará em cartaz até o dia 31 de maio, na Galeria Melissa, em Londres.

Foto Katie Holt

Look da coleção Inverno 2007, realizado no Museu de História Natural, em Londres. Vestido em couro envernizado e cashmere

Foto Katie Holt

Look da coleção Verão 2011, realizado no Palais Omnisports, em Paris. Vestido em PVC metálico e seda

Foto Katie Holt

Look coleção Inverno 2011, realizado na École des Beaux Arts, em Paris. Jaqueta e leggings de borracha, neoprene e seda

Foto Katie Holt

Look da coleção Inverno 2008, realizado na Old Truman Brewery, em Londres. Vestido tipo samurai e leggings de zíperes em PVC e couro

Move!, exposição celebra 35 anos da Melissa
29 de Outubro de 2014 . Por aspatricias

brasileiro Rimon Guimarães interpreta a fusão de moda e graffiti com vídeo e tecnologia

Brasileiro Rimon Guimarães interpreta a fusão de moda e graffiti com vídeo e tecnologia

Reconhecida pela inovação em plástico, a Melissa comemora 35 anos em 2014 buscando e lançando tendência a cada nova coleção. Para celebrar a data tão importante, a marca faz o Move! Plasticity, um evento único que mixa arte e moda através de vários tipos de instalações, explorando elementos como criatividade, identidade, movimento, performance e expressividade. As obras convidam o público a fazer parte da experiência de total interação com diferentes formas de arte.

Com direção de Antonio Haslauer e curadoria de Cecilia Dean, co-fundadora da revista Visionaire, e pelo jornalista de arte e moda David Colman, o MOVE! Plasticity apresenta cinco “movimentos” por artistas de expressão internacional - Eli Sudbrack, Ryan Mcnamara, Valeska Soares , Rob Pruitt, Rimon Guimarães para Coletivo Banzai – que explorará as nuances da arte com o plástico em um contínuo processo de moldagem e  transformação. A forma é só um começo.

Na visão dos curadores Cecilia Dean e David Colman, “é importante colocar os universos da arte e da moda e acessórios em um contato mais direto com as pessoas e, através deste diálogo, energizar nessa relação com o público”. Para eles, “a proposta da mostra “MOVE!” é que todos possam vivenciar o processo criativo e participar ativamente da relação vital da moda com a arte, sem se prender a noções pré-estabelecidas”. A exposição inicia no dia 4 de novembro, no Lounge da Bienal, em São Paulo, e fica até dia 9 do mesmo mês, aberta ao público, com entrada franca.

Eli Sudbrack apresenta uma obra que seduz e fascina o público com sua estética exuberante e lúdica

Eli Sudbrack apresenta uma obra que seduz e fascina o público com sua estética exuberante e lúdica

A mostra “MOVE!” foi criada e apresentada originalmente no MOMA PS1, de Nova Iorque. Em outubro de 2010, a primeira edição foi organizada e curada por Cecilia e por Colman. Realizada no Brasil pelo Sesc São Paulo, em 2013, a mostra  incluiu alguns trabalhos apresentados no MOMA-PS1 junto a um novo conjunto de performances inéditas, especialmente concebidas para o Sesc por artistas brasileiros e estrangeiros, como Vik Muniz e Rob Pruitt.

Sobre os artistas:

* Ryan McNamara, denominado pelo The New York Times como “príncipe saltimbanco da arte performática de downtown NY”, vai sempre além ao uso de novas e intrigantes maneiras de envolver as pessoas e capturar a imaginação do público. O artista circula com desenvoltura no ambiente tradicional do teatro ou em correntes mais direcionais, como redes sociais ou novos movimentos de arte de rua que emergem constantemente em Nova York. Para o “Move!Plasticity”, o artista nova-iorquino criou uma instalação de pernas coreografadas que evocam os tempos de ouro de Hollywood e os nightclubs de revista. Interativa, a obra convida o público a participar nesta instalação divertida e delirante ao mesmo tempo. A instalação abre a mostra como uma obra em movimento. Em um corredor estarão expostos uma série de sapatos icônicos da marca Melissa. Logo acima das peças, haverá aberturas por onde dançarinos, e por vezes o próprio público, passarão as pernas, calçarão os sapatos e iniciarão uma coreografia dirigida pelo próprio artista, em uma sequencia surreal e surpreendente.

* Eli Sudbrack, líder do coletivo AVAF (AssumeVividAstroFocus) e um dos mais conhecidos e respeitados artistas brasileiros no universo da arte internacional, apresenta uma obra que seduz e fascina o público com sua estética exuberante e lúdica. Esse senso do fantástico é expandido consideravelmente com uma instalação tecnológica futurista de moldagem da Melissa: o artista concebeu uma série de redes delicadamente tecidas com plástico, que convidam o público a um repouso, enquanto contempla a obra de vídeo do artista, o que os transportará a um universo sensorial psicodélico; uma homenagem à instalação de Lucio Costa, na Trienalle de Milão, em 1964.

* Valeska Soares apresenta uma instalação que discute o conceito de plasticidade. A artista, nascida Belo Horizonte e baseada em Nova York, é conhecida por explorar as fronteiras entre a arte e os objetos que nos circundam, revelando a beleza inesperada em itens como móveis ou livros. Em 2013, Valeska criou a obra performática “Push Pull”, uma das mais poéticas, visualmente estimulantes e deliciosas expressões de plasticidade jamais criadas por um artista. Para “Move!Plasticity”, concebeu uma nova edição da obra na qual quatro atores interpretam o processo de moldagem de um caramelo, que transforma um bloco sólido de 12 kg de bala em uma forma escultural que não cessa de se transformar em constante  metamorfose a partir da interação com o público, que pode retirar pedaços do caramelo e comer.

* O artista norte-americano Rob Pruitt, um dos mais expressivos e inventivos de sua geração, gosta de brincar com as expectativas em torno do que é um artista contemporâneo. Rob integra ao seu trabalho um senso de humor e prazeres secretos do senso de culpa. Criador da “passarela virtual” da última edição da mostra “Move!” no Sesc Belenzinho, em 2013, ele agora se supera nesta edição, propondo ao público uma experiência completa, onde o cenário e os calçados são os veículos da transformação. O público caminhará sobre uma esteira usando Melissas e, graças a efeitos especiais, o espectador será transportado a uma variedade de cenários e backgrounds diferentes.

* O artista brasileiro Rimon Guimarães, do coletivo criativo Banzai, interpreta a fusão do tangível (moda e graffiti) com o intangível (vídeo e tecnologia)  através de uma instalação vídeo-interativa. O público é convidado a posicionar-se diante de uma escultura abstrata e sensores são acionados automaticamente dando início a uma série de imagens que dão vida a escultura, que se transforma em diferentes personagens e imagens proporcionando uma experiência única da pessoa interagindo com a obra.

MOVE! Plasticity

Lounge da Bienal de São Paulo

Período: 4 a 9 de novembro 2014

Horário de visitação: terça, quinta, sexta-feira e domingo, das 9h às 19h (entrada até às 18h); quarta-feira e sábado, das 9h às 22h (entrada até 21h)

Entrada gratuita/ livre