Amarracanga se inspira no Peru para coleção de inverno
4 de Julho de 2017 . Por aspatricias

Amarracanga/Divulgação

As estampas peruanas foram a inspiração para uma coleção de echarpes bem bacanas da Amarracanga, grife especializada nesse detalhe tão essencial para incrementar o visual. Para este inverno, a marca gaúcha foi até o Peru para criar e compor as peças da coleção, que foram produzidas no Centro Têxtil Urpi, localizado em Chinchero, a 3.800m de altitude. Com uma variedade cultural encantadora em muitos aspectos, o artesanato peruano impressiona com suas geometrias em estampas, a partir de técnicas tradicionais de tecelagem. Isso sem falar da vasta gama de cores que surgem nos processos de tingimento natural. A cartela de cores envolve a sofisticação e leveza de tons suaves, como azul claro, nude e rosê, que contrastam em harmonia com tons terrosos, como caramelo, marsala e verde militar. O resultado é um um mix de cores lindas e compatíveis entre si.

Amarracanga/Divulgação

A coleção também conta com echarpes no mood rocker, com estampas xadrez, jeans e metalizados, além de skinny scarves em veludo molhado. Vale dar uma olhada na coleção completa no site da label, pelo link www.amarracanga.com.br.

 

 

Rocker sem mesmice
31 de Julho de 2014 . Por Patrícia Pontalti

Juro que chego a sentir um certo arrepio toda vez que alguém define seu estilo como “meio rocker” - e não é indecisão da afirmativa que atiça meus medos. Por quê? Não suporto mais o limitado combo camiseta de banda + legging/short. Dio mio! E olha que não tenho nada contra a camiseta de banda, a legging de zebra, o short jeans e muito menos o estilo rocker - ao contrário: adoro. Mas o que me provoca ojeriza é assistir a uma plateia inteira usando exatamente a mesma coisa, reflexo de quem que se limita a achar diferente uma meia 7/8. É uma invasão de rebeldes roqueiras de e-commerce.

O que me deixa mais triste é que elas poderiam deixar de lado esses padrões do estilo e trazer novos elementos, inspirações menos acanhadas e mais consistentes ao delicioso estilo rocker, que não exige shape específico, é atemporal e pode transitar por todas as faixas etárias. Por favor! Vamos botar as melenas coloridas pra  pensar. Tem tanta gente bacana para se inspirar. No passado, no presente, nos palcos, nas revistas. A gente selecionou algumas referências bacanudas para motivar uma reciclagem do rock and roll do closet. E não precisa deixar de lado a camiseta de banda e a legging, tá?! Se variar os complementos e as composições já tá valendo. Respeito ao estilo que ele merece.


Fotos Reprodução Internet

A primeira inspiração é Kate Lanphear, diretora de estilo da Elle americana. Nossa! Isso sim é ser rocker com personalidade. Kate tem um cabelo que favorece e também sempre investe sempre em acessórios pesados, com detalhes de spikes, correntes e couro, principalmente nas pulseiras. Adora botas pesadas, jaquetas biker, cintos tachados e - sim - camisetas de banda e do tão famigerado Jack Daniels  (”todas ama”). Mas Kate mescla tudo com peças de uma alfaiataria impecável, com vestidos transparentes, com camisetas bretão, com muito branco, com peles falsas imponentes, com cortes ajustados e sexy. Criou um jeito rocker andrógino muito requintado e totalmente referencial.

 

Fotos Reprodução Internet

A cantora Gwen Stefani, linda que só ela, usa o rocker como um detalhe sempre presente. Muitas vezes, substitui a calça skinny por modelos oversized de alfaiataria ou jeans. Investe em casacas e paletós, que estão na essência do estilo, principalmente dos glamurosos 70’s, e adora tricôs texturizados e jaquetas biker em interpretações bem femininas. Ah! Gwen, que também tem uma grife de roupas, a L.A.M.B., ama coturnos e os usa com tudo. Perfeito para as amantes do conforto que adoram um visual mais casual, despojado.

 

Fotos Reprodução Internet

E para quem ama glamour, a minha favorita: Carine Roitfeld, a editora de moda global da Harper’s Bazaar. Ela tem um jeitinho roqueiro que é pura sofisticação. Peça-chave? Saia lápis, perfeita para usar no dia a dia com as tão faladas camisetas de banda, rompendo o combo básico. Mesmo sendo a mais madura do trio inspiracional, Carine é bastante ousada. Adora roupas ajustadas, couro, transparências, botas pesadas e de visual fetichista. Por sinal, fetichista é um bom termo para definir certas composições de Carine, que conduz o visual rocker ao patamar de puro luxo.

E a gente poderia seguir a lista: Emmanuelle Alt, editora da Vogue França, Charlotte Gainsbourg, atriz e cantora francesa, além de muitas musas de outras épocas, como a própria Debbie Harry. Vamos tentar sair da mesmice?!